Pular para o conteúdo principal

Antes que Ninguem Conte


No ano em que o governo federal através do Ministério da Cultura cria o IBRAM - Instituto Brasileiro de Museus, instituição que vem para desenvolver e possibilitar aos municípios brasileiros a criação de museus nas cidades brasileiras para resgate da nossa memória histórico-cultural, preservando acervos e costumes, tradições e bens materiais e imateriais, quero destacar aqui o trabalho em prol da cultura sousense de Julieta Pordeus Gadelha.
Julieta é uma incansável batalhadora das expressões culturais de nossa cidade de Sousa-PB.
Escreveu um livro contando a história sousense desde o surgimento das primeiras sesmarias, das primeiras glebas de terra; desde o surgimento do primeiro automóvel na cidade nos primórdios do século passado quando nem estradas haviam, por aqui rodavam carros Ford e motocicletas Harley-Davidson. Julieta retratou em seu livro a invenção do cinema mudo e seu surgimento na cidade por volta de 1918 com seu Chico Casimiro como exibidor debaixo de um certo Tamarindo... Julieta tambem falou do Cangaço, da Nau Catarineta, dos Autos de Natal, da cultura de Sousa em "Antes Que Ninguém Conte", livro que ela lançou a um tempo atrás, mas que se transformou num marco de registro da nossa história, como ponto de referência da memória sousense.
Julieta ainda compôs o Hino da cidade, que hoje é cantado nas escolas do município e nas solenidades oficiais, sendo obrigatório na abertura das sessões da câmara de vereadores.
Outro grande legado seu, foi a criação do Centro Cultural Tozinho Gadelha, uma homenagem que ela prestou ao ex-prefeito Tozinho Gadelha seu pai, onde ela conseguiu montar um museu com um acervo de peças e imagens recolhidos por ela mesma, formando um museu de grande importância para a região. Julieta mantém este museu com recursos do próprio bolso e não tem qualquer ajuda governamental para desenvolver este importante projeto de resgate da memória sousense.
Mulher de fibra, vitoriosa, Julieta é um ícone da cultura local pela sua persistência e tenacidade em manter um empreendimento cultural dessa envergadura, sem apoio de governos ou instituições, sejam estas públicas ou privadas.
Parabéns Julieta! "Antes que ninguém Conte" estou dizendo aqui da sua importância para Sousa e para a Paraíba.
Edilberto Abrantes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

LEMBRA DO CORAL ELÁDIO MELO?

A arte não tem fronteiras e deve ser expressada de forma ilimitada usando todos os recursos para dar forma e cor a arte por ela representada. Não tem nada mais belo e mais audível neste mundo do que um canto coral. Um coral de vozes bem afinadas, em sintonia com a música e a união das vozes Soprano, Contralto, Tenor, Baixo e Barítono sem falar em um maestro e suas aulas de canto, e seus ensaios fatigantes, constantes, cansativos mas com um objetivo claro, dar harmonia e simetria ao canto coral com seus arranjos maravilhosos, verdadeiras obras de arte executadas apenas pela sonoridade de vozes com toda maestria e musicalidade. Quem não se lembra do Coral Eládio Melo da cidade de Sousa-Pb? Coral que na década de 70 do século passado iluminava com seu canto as platéias nordestinas do sertão ao litoral, tendo como maestro José Queiroga de Melo. Naquela época Sousa brilhava com seu Coral na Paraíba como um dos melhores do Estado. O repertório era sensacional, rico pelas obras que executava…

Zé do Norte, um ícone da música Sertaneja!

Zé do Norte - Biografia Alfredo Ricardo do Nascimento nasceu em Cajazeiras (PB), em 18 de dezembro de 1908. Era cantor, compositor, poeta, folclorista e escritor, mas antes de desenvolver tantas atividades intelectuais, pegou no pesado. Trabalhou desde os nove anos na enxada, no sertão do Estado. Depois foi apanhador de algodão e tropeiro. Sempre cantou, mas não imaginava que isso iria tornar-se uma atividade profissional.
Em 1921, foi para Fortaleza, alistou-se no Exército e acabou indo servir no Rio de Janeiro, morando, mais tarde, próximo ao morro de Mangueira. Convidado por Joracy Camargo, atuou no show Aldeia Portuguesa, obtendo grande sucesso com uma embolada de sua autoria.
Acabou sendo levado para a Rádio Tupi onde cantou adotando o pseudônimo de Zé do Norte, em 1940. No ano seguinte, foi para a Rádio Transmissora Brasileira (atual Rádio Globo) e participou de programas, como Desligue, Faz Favor e Hora Sertaneja. Passou depois para as rádios Fluminense, Clube do Brasil, Guanabara…