Pular para o conteúdo principal

Acauã Produções Culturais comemorará Duas Décadas de Cultura!

Duas décadas de intensa produção cultural está sendo comemorada pelos membros, militantes, admiradores da Acauã Produções Culturais e por todos os que fazem a cultura do sertão da Paraíba, no próximo dia 01 de dezembro.

Fundada em 01 de dezembro de 1990, a Acauã Produções Culturais – ONG cultural da cidade da Aparecida, chega aos 20 anos com um enorme currículo cultural iniciado no teatro, enveredado pela música, literatura, artes plásticas, comunicação e audiovisual.

Ao longo desses 20 anos, a APC montou cinco espetáculos teatrais, participou de vários festivais musicais, promoveu o I Festival Acauã de Música Popular e produziu vários CDs com artistas da região.

Na literatura, além da participação e premiação em vários concursos e festivais em nível nacional, a APC se destaca pela realização do FESERP – Festival Sertanejo de Poesia, prêmio Augusto dos Anjos, evento considerado um dos maiores do gênero no Norte/Nordeste e que chega este ano a sua décima sexta edição, coroado pelos nomes que compuseram a comissão julgadora, a exemplo de Ariano Suassuna, Pedro Osmar, Vital Farias, Elomar Figueira, Xangai, Cátia de França, Braúlio Tavares, dentre outros. Ainda na literatura o grupo é responsável pela publicação de sete livros: cinco Antologias Poéticas do FESERP (1996, 2000, 2003, 2005 e 2009); uma Coletânea de Poesia Rimas do Sertão (1999) e a Cartilha Aparecida - um canto na Paraíba (2002), ambos sob a organização de Laercio Ferreira Filho.

A Acauã Produções foi uma das pioneiras no sertão da Paraíba, na luta em defesa da democratização dos meios de comunicação instalando assim, a Rádio Comunitária Acauã FM, em 1998. Hoje, a emissora se encontra autorizada pela ANATEL, com outorga do Ministério das Comunicações e mantém diariamente uma programação voltada à valorização das raízes da cultura nacional.

Outro grande feito da Acauã nestes 20 anos, tem sido a luta pela restauração, preservação e revitalização do Conjunto Histórico da Fazenda Acauã - Patrimônio Cultural tombado pelo IPHAN desde 1967- motivo do nome da instituição, situado no município de Aparecida. Neste conjunto se encontra instalado o Ponto de Cultura Caminhos de Acauhan, uma parceria da APC com o IPHAN e o Ministério da Cultura.

Na sede do município, a ONG é responsável pelo Ponto de Cultura Casa Antônio Nóbrega, espaço destinado às práticas culturais, dotada do Cine Clube Charles Chaplin, com exibições cinematográficas e videográficas todas as quinta-feiras, do Núcleo de Audiovisual João Carlos Beltrão voltado para a formação e produção audiovisual no sertão, responsável por várias produções como Memória Bendita, O Apóstolo do Sertão e As Trapalhadas de João Teimoso de Laercio Filho; Manoel Inácio e a Música do Começo do Mundo e O Velho do Rio de Leonardo Alves, além de oficinas e cursos de formação e capacitação.

Toda essa história tem rendido à Acauã, inúmeros prêmios e homenagens, dentre elas: os Votos de Aplausos da Câmara Municipal de Aparecida, da Assembléia Legislativa da Paraíba e do Conselho Estadual de Cultura, o Prêmio Zé do Norte de Cultura Sertaneja, na categoria entidade cultural, além da Medalha Augusto dos Anjos, a mais importante comenda cultural concedida pela Assembléia Legislativa da Paraíba.

A entidade é tida como exemplo para outras instituições em todo o estado, motivo pelo qual tem assessorado várias iniciativas culturais, fortalecendo o que os seus diregente chamam de corrente de produtores e admiradores da cultura sertaneja.



A programação:

Para comemorar os 20 anos de fundação, a diretoria que tem à frente o historiador José França de Oliveira, preparou uma programação que começa no dia 01 de dezembro e se estenderá por todo o ano de 2011. Para dezembro, a programação será a seguinte:

Dia Evento Local

01/12 Entrevista do Presidente da APC ao Programa Bom Dia Sertão da Rádio 104 FM de Sousa, em conexão com a Rádio Acauã FM Comunitária de Aparecida (07:30h.)

Sousa e Aparecida - PB

Inauguração do Monumento aos 20 Anos da APC com apresentação Cultural (20:00h.)

Praça Pública

16/12 Sessão Especial do Cine Clube Charles Chaplin com a exibição de um Clip dos 20 Anos da APC e do filme “O Céu de Sueli”, com a presença da atriz Marcélia Cartaxo. (19:30h.)

Ponto de Cultura Casa da Cultura Antonio Nóbrega

17/12 Solenidade de comemoração dos 20 anos da APC, com entrega de comendas aos associados e principais colaboradores. (20:00h.)





Fina Flor Clube

Premiação do XVI FESERP. (21:00h.)

Show musical com o grupo Jaguaribe Carne da cidade de João Pessoa. (21:30h.)


Parabéns a Acauã Produções pelos seus  XX ANOS!








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

José Queiroga de Melo, Obrigado Maestro!

A Banda de Música Municipal "13 de Maio" da cidade de Sousa teve sempre como um grande referencial na sua trajetória musical na região a genialidade de grandes músicos e profissionais do mais alto conhecimento da música de dobrados, polcas e hinos, conteúdo mais que indispensável para as apresentações da banda nos eventos festivos e datas comemorativas da municipalidade, tendo um naipe de grandes musicistas a serviço da Banda de Música 13 de Maio e dentre eles o grande Maestro José Queiroga de Melo que dedicou a sua vida à música e a formação musical de uma geração que se espelhava nele para produzir música e contribuir com a cultura sousense como assim fez o grande maestro. José Queiroga de Melo foi o grande ícone de uma época de ouro, quando no início dos anos 1970 dirigia de forma magistral e soberana a Banda de Música 13 de Maio que entre seus músicos reinavam os mestres Zé Cassiano, o mestre Dui, Nego Chico, Chico Cruz, Dedé Cruz, Edmilson Gadelha, Mané Zuza, Chico do …

um Circo diferente

Nós vivemos sobre o fio da navalha, andando no arame, na corda bamba de um circo cujo palhaço é o faz tudo da equipe circense. Fazemos palco com malabarismo para pagar e reger nossas obrigações diárias, enquanto cidadão devedor de impostos e obrigações sociais. Fazemos do trapézio e o seu sobe-e-desce contínuo nossas tarefas do dia-a-dia em nossa oscilação de humor, frente às adversidades e atribulações da vida moderna. Vivemos como um leão numa jaula, pouca comida na mesa, pouco espaço para locomoção, nenhum divertimento enquanto trabalhador, ao som do chicote e do açoite de um domador com cara de Fisco, polícia, Juizado, e o submundo que nos mantém presos em casa e dançando, pulando argolas, subindo em cadeiras e pulando em rodas de fogo para uma plateia cada vez maior de espectadores da desgraça alheia. A televisão está aí, mostrando as bizarrices de nossas mazelas cotidianas. Depois das novelas, dos seriados, dos filmes b, das produções de baixo valor cultural, agora inventaram os …